Indígena do Alto Xingu defende dissertação de mestrado


20140603213236665725u

Makaulaka Mehináku Awetí tem 34 anos e seu povo Mehináku vive no Parque Indígena do Xingu, em Mato Grosso. Em maio desse ano, Mekalauka defendeu sua tese de mestrado na UnB (Universidade de Brasília), sobre a estrutura linguística do idioma que leva o mesmo nome de sua etnia. Seu trabalho aprofunda a descrição gramatical da língua, que também está presente na região Norte do Brasil e em países como Bolívia, Peru e Venezuela.

O interesse de  Makaulaka pela escrita do “povo branco” começou na adolescência, quando teve contato com outros índios que sabiam ler e escrever em português. Na falta de lápis e papel, “recolhia pilhas velhas, tirava-lhes o toco preto e ia apontando para colocar na ponta de um pauzinho para ficar igual a um lápis”, ele conta. Usava esse instrumento para reproduzir em madeira as palavras que encontrava em embalagens usadas.

Aos 15 anos, soube de um curso de português que iria acontecer em um povoado. Como estava em período de reclusão, prática recorrente entre indígenas na adolescência, o pai o proibiu de ir à escola. Makaulaka decidiu então fugir da aldeia para perseguir seu sonho. Depois do curso, retornou ao convívio da família. Com a anuência dos pais, passou a frequentar a escola e ingressou na graduação em Ciências Sociais na Universidade Estadual do Mato Grosso.

“Lembrar essa história é viajar no tempo, recordar todo sofrimento, hoje superado, a humilhação que me fez aprender a ser humilde e respeitar os outros; aprender a lidar com atitudes ruins com bons argumentos. É o que me deu mais motivo de seguir em frente sempre com inteligência para não agredir as pessoas com minhas palavras grosseiras”, escreve Makaulaka na introdução do trabalho.

“Pensei em voltar para minha vida de tempos atrás, de viver a vida inteiramente de meu povo, viver isolado do mundo branco, mas não será mais possível, não posso desperdiçar tudo que conquistei na vida, apoio, confiança e respeito, que significa o reconhecimento por parte daqueles que conhecem quem sou eu”, completa Makaulaka, hoje professor em sua aldeia no Alto Xingu.

No dia de defender sua pesquisa, Makaulaka acordou antes das 6 da manhã. Ao lado da mulher e dos filhos, pintou o corpo de urucum e jenipapo, colocou os ornamentos usados em celebrações especiais indígenas e se dirigiu à UnB para concluir uma das etapas mais importantes da sua vida.

A conquista de Makaulaka vai além do benefício (possibilitado pelo sistema de cotas) de promover a diversidade no curso superior – é também um avanço histórico. “As línguas indígenas, de modo geral, estão sob análise dos linguistas não indígenas. Ser pesquisador da minha língua coloca o índio como protagonista de sua história”, define o agora mestre.

Na opinião da orientadora do projeto de Makaulaka e representante do Laboratório de Línguas e Literaturas Indígenas (Lali/IL) da UnB, Ana Suelly Arruda Câmara Cabral, a importância de aproximar os indígenas da universidade supera o rico intercâmbio de culturas e de pontos de vista. “Eles se encantam ao entender com o olhar de linguista, as estruturas de sua língua e as funções que cada elemento que a constitui tem ao expressar sentimentos, emoções, pensamento e cultura de um modo em geral”, explica.

Fundado em 1999, o Lali esperou 10 anos até a primeira defesa de dissertação de mestrado de um indígena. Em 2009, Edílson Baniwa defendeu projeto sobre o idioma nhegatu, do povo baniwa, que vive no Alto Solimões, no Amazonas. Desde então, há uma seleção especial, na qual os índios não precisam fazer provas de inglês, pois o português já é a segunda língua deles.

Fontes:

http://www.unb.br/noticias/unbagencia/unbagencia.php?id=8600

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2014/06/04/interna_cidadesdf,430797/indio-supera-adversidades-e-preconceitos-e-conclui-mestrado-na-unb.shtml

O caminho mais longo

Christoph Rehage andou mais de 4,5 mil quilômetros através da China durante o ano de 2008. Ao longo desse tempo, ele deixou o cabelo e a barba crescerem e gravou pequenos vídeos de si mesmo que condensou num timelapse incrível:

 

 

Toda a distância de Pequim para Urumqi foi feita exclusivamente a pé. Há momentos no vídeo em que podemos ver Rehage em um avião ou barco, mas foram intervalos que ele precisou fazer para resolver questões burocráticas ou para cuidar de algumas coisas pessoais. Todo o extenso diário de viagem foi postado no blog de Christoph.

O vídeo ganhou prêmios nos seguintes festivais: Boulder Aventura Film Festival (2009); Berlim Webcuts (2010); Banff Mountain Film Festival (2010); Vancouver International Film Festival Montanha (2011); 5 International Mountain Film Festival Domžale (2011); Squamish Mountain Festival (2011); Mezinárodný Festival Horských Filmov, Poprad (2011); Vertical Film Festival, Moscou (2011). E ainda ficou em 8º lugar na lista de vídeos virais de 2009 na Time.com.

Foto do blog http://www.thelongestway.com/
Foto do blog http://www.thelongestway.com/

Ilusões auditivas

ilusão auditivaEstamos habituados a ver imagens e vídeos de ilusões de ótica, mas você já parou para pensar em ilusões de audição? Podemos realmente confiar em nossos ouvidos e nas coisas que eles ouvem?

No vídeo a seguir (em inglês), são propostos alguns testes para demonstrar ilusões auditivas.

Num trecho, aparecem dois vídeos lado a lado. E, surpreendentemente, o que você ouve depende de qual vídeo você está olhando! Isso acontece por causa de algo chamado de Efeito McGurk, que mostra como nossa visão pode alterar o que acreditamos estar ouvindo. Outro teste demonstra o contrário: como um som pode também alterar o que acreditamos estar vendo.

O vídeo revela, ainda, que diferentes pessoas ouvem coisas diferentes, mesmo que o som seja exatamente o mesmo. Essa ilusão, chamada de Paradoxo do Trítono, foi descoberta por Diana Deutsch, uma psicóloga inglesa famosa por suas pesquisas na área da psicologia musical. Nessa ilusão auditiva, cada tom tem ao mesmo tempo uma frequência alta e uma baixa, mas o cérebro escolhe qual delas quer ouvir. Diana descobriu ainda que fatores como localização geográfica e idioma influenciam o resultado.

Por fim, a ilusão de tons Shepard causa a impressão de que uma sequência de sons é sempre ascendente. Ou seja, se você repetir a mesma exata sequência várias e várias vezes, terá a impressão de que o tom continua subindo continuamente!

E aí, você ainda confia no que seus ouvidos ouvem?

Da série: como a preguiça pode melhorar sua vida

Num dia de calor intenso, em 2009, Iris Scott estava pintando um quadro e ficou com preguiça de ir limpar seus pincéis. Em vez disso, resolveu usar os próprios dedos. Esse foi o golpe de sorte que a fez desenvolver uma nova técnica e mudou totalmente o rumo de sua carreira artística.

Depois de descobrir seu próprio estilo impressionista, Iris nunca mais voltou a usar pincéis. No site da artista, além de obras de arte originais, estão à venda impressões sobre tela e papel. Você também pode acompanhar o trabalho de Iris no Facebook. Veja a seguir algumas de suas surpreendentes obras.

 

dedo arte pinturas de íris scott (5)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

dedo arte pinturas de íris scott (2)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

dedo arte pinturas de íris scott (4)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

de obras de arte digitais pinturas de íris scott (10)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

dedo arte pinturas de íris scott (8)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

dedo arte pinturas de íris scott (7)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

dedo arte pinturas de íris scott (3)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

dedo arte pinturas de íris scott (9)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

dedo arte pinturas de íris scott (6)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

dedo arte pinturas de íris scott (1)

Artwork by IRIS SCOTT  Site | Facebook | Originals | Paper Prints | Canvas

Curitiba – Programação cultural da semana – 02 a 08 de junho

1744870f805b27703e6964d3165778edA fim de fazer coisas diferentes essa semana? Fique ligado no que está rolando na cidade! Várias atrações são na faixa!

CINEMA

Festival Olhar de Cinema: até quinta-feira, dia 05/06. Entradas a R$ 5,00 (inteira) e R$ 2,50 (meia). Mais informações e programação completa aqui: http://olhardecinema.com.br/

Românticos Anônimos, 3 de junho, às 19h, no CinePensamento do Sesc Paço da Liberdade. Entrada franca. TODA TERÇA, NESSE HORÁRIO, HÁ EXIBIÇÃO GRATUITA DE UM FILME DIFERENTE. Informações: http://www.sescpr.com.br/unidades/sesc-paco-da-liberdade/

DANÇA

Input (DesCompanhia de Dança): de 05 a 29 de junho (quinta a sábado, 20h, domingo, 18h), no Teatro Antonio Carlos Kraide. Entrada franca. Mais informações: (41) 3229-4458 / 3233-8034 / 9601-8553.

A Loucura de Bispo: de 05 a 22 de junho, no Memorial de Curitiba – Sala Londrina. Entrada franca. Mais informações: http://www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br/danca/agenda/espetaculo-a-loucura-de-bispo

Bife Sujo: A Invenção Curitiboca – com Denorex 80: dia 06 de junho, às 21h, no Teatro Regina Vogue. Ingressos: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia entrada). Informações: http://www.reginavogue.com.br/

EXPOSIÇÕES

A Magia de Miró: até 20 de julho de 2014 (terça-feira a domingo), na Caixa Cultural. Entrada franca. Mais informações aqui: http://www20.caixa.gov.br/Paginas/Releases/Noticia.aspx?releID=189

Viagens Fotográficas: até 22 de junho, 9h às 12h e 13h às 18h (3ª a 6ª feira); 9h às 14h (sábado, domingo e feriados), na Casa Romário Martins. Entrada francaInformações: http://www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br/patrimonio-cultural/agenda/viagens-fotograficas

Invasão: Somos Dois e Somos Muitos:  até 30 de junho, no Paço da Liberdade. Entrada franca. Informações: http://www.sescpr.com.br/unidades/sesc-paco-da-liberdade/

Confira também a programação do MON (Museu Oscar Niemeyer) (ingressos R$ 6,00 e R$ 3,00) e do MAC (Museu de Arte Contemporânea do Paraná) (entrada franca).

LITERATURA

Debate – Processos de Criação e Formação de Escritores. 04 de junho, às 19h30, no Palacete Wolf. Entrada franca. Informações: http://www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br/literatura/agenda/processos-de-criacao-e-formacao-de-escritores

MÚSICA

Concerto da Orquestra Sinfônica da EMBAP: dia 03 de junho, às 20h30, no Guairão. Entrada francaMais informações: (41) 3017-2058.

Duo Santoro (violoncelos): dias 6, 7 e 8 de junho (sexta e sábado às 20h e domingo às 19h), no Teatro da Caixa Cultural de Curitiba. Ingressos R$ 10,00 e R$ 5,00 (meia entrada). Mais informações:  http://www20.caixa.gov.br/Paginas/Releases/Noticia.aspx?releID=222

Karol Conka:  5 de junho, 20h, no Canal da Música (Mostra “É Daqui”). Ingressos: R$ 15,00. Informações: http://www.e-parana.pr.gov.br/2014/05/246/Karol-Conka-no-Canal-da-Musica.html

Alimentando com Música – Concerto Didático (para crianças): dia 07 de junho, 18h30 e 19h30, na Capela Santa Maria. Ingresso: R$30 e R$15 (menores de 12 anos não pagam). Informações: http://www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br/musica/agenda/alimentando-com-musica-concerto-didatico

Samba do Compositor Paranaense: toda segunda-feira, das 19h30 às 22h, no TUC (Teatro Universitário de Curitiba). Entrada franca. Informações: http://www.fundacaoculturaldecuritiba.com.br/musica/agenda/samba-do-compositor-paranaense-2

Música no Café – Paul Wegmann e Santiago Beis: 5 de junho, às 18h, no Sesc Paço da Liberdade. Entrada Franca. Informações: http://www.sescpr.com.br/unidades/sesc-paco-da-liberdade/

Eles Cantam Caymmy: 6 de junho, às 19h, Sala de Atos do Paço da Liberdade. Ingressos: R$ 5,00 (Comerciário) e R$ 10,00 (Não comerciário). Informações: http://www.sescpr.com.br/unidades/sesc-paco-da-liberdade/

Clube de Jazz do Sesc Paço da Liberdade: 5, 12 e 26 de junho, às 20h, na Sala de Atos do Sesc Paço da Liberdade. Ingressos: R$ 3,00 (Comerciário) e R$ 6,00 (Não comerciário). Informações: http://www.sescpr.com.br/unidades/sesc-paco-da-liberdade/

TEATRO

Cronópios da Cosmopista (inspirada na obra de Cortázar): de 6 a 15 de junho (sexta a domingo, às 20 horas), no Auditório Salvador de Ferrante – Guairinha. Ingressos: R$ 30. As apresentações dos dias 14 e 28 serão fechadas para o SESI e não terão cobrança de ingresso, sendo utilizada apenas a entrada com voucher, sem emissão de ingressos. Mais informações: http://www.teatroguaira.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=1250

Cinderella – O Musical. 07 de junho às 18h e 08 de junho às 15h, no Guairão. Ingressos entre R$ 120,00 e R$ 160,00. Mais informações: http://www.teatroguaira.pr.gov.br/

Ouve-me com o teu corpo inteiro: de 05 a 29 de junho (quinta a sábado, 21h, domingos, 20h), no miniauditório do Guaíra.  Preço Único: R$30,00. Mais informações: http://www.teatroguaira.pr.gov.br/

Flores Dispersas – Fragmentos da Vida e Obra da Poetisa Júlia da Costa: 05 a 15 de junho (quinta a sábado, 21h, domingo, 19h), no Teatro José Maria Santos (Guaíra). Preço Único: R$20,00. Mais informações: http://www.teatroguaira.pr.gov.br/

Haja o que Houver: dia 08 de junho, às 19h, no Teatro Lala Schneider. Ingressos: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia entrada). Informações: http://www.teatrolala.com.br/

SUPER HOMENS: até 08 de junho (quinta a domingo às 20 hrs, e sábado sessão extra às 18 hrs), no Espaço Excêntrico Mauro Zanatta. Ingressos: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia entrada). Informações: http://atorcomico.com.br/?p=222

Bimbo (infantil): de 06 a 29 de junho (sextas a domingos às 16h), no miniauditório do Guaíra. Ingressos R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia entrada). Mais informações: http://www.paranashop.com.br/colunas/colunas_n.php?op=lazer&id=249688

Gostou? Se você for a uma das atrações que viu aqui e compartilhar em alguma rede social, marque o #tokaoki!

12 razões para amar TEDTalks

ted

Mesmo que nunca tenha me visto na vida, se for um observador atento, talvez você já tenha reparado que sou uma grande entusiasta do TEDTalks. As coisas que aprendo lá muitas vezes me servem de referência.

Como já contei antes, TED  é o acrônimo para Technology, Entertainment, Design (em português, Tecnologia, Entretenimento, Design). É uma fundação estadunidense sem fins lucrativos, que organiza conferências destinadas à disseminação de boas ideias. Os vídeos variam entre 3 e 20 minutos, mais ou menos, e o acesso a eles é gratuito pela internet. Diversos vídeos possuem legendas em português e outras línguas. E vários estão disponíveis no Netflix para quem é assinante.

O conteúdo, que inicialmente tinha maior ênfase em tecnologia e design, hoje cobre temas que abrangem praticamente todos os aspectos de ciência e cultura. Entre os conferencistas, estão diversos ganhadores do Prêmio Nobel, personalidades como Sheryl Sandberg (a chefe operacional do Facebook desde 2008), Isabel Allende (jornalista e escritora chilena), Madeleine Albright (primeira mulher a ocupar o cargo de Secretária de Estado dos Estados Unidos), Bill Clinton (ex-presidente dos Estados Unidos), Sting (músico, cantor e ator inglês), os fundadores do Google, muitos outros famosos e também gente incrível de quem você nunca ouviu falar.

Eu sei que você não me pediu nenhum conselho, mas se eu puder dar uma dica que pode mudar sua rotina para melhor, é essa: vicie em TEDTalks você também. Já faz tempo que assisto a no mínimo um vídeo por dia. Como são curtinhos, vejo um ou dois enquanto tomo meu café da manhã e me arrumo para trabalhar. À noite, muitas vezes vejo mais. Ainda tem dias em que não resisto e assisto a mais um ou outro na hora do almoço.

Já vi mais de uma centena de vídeos. E dá para contar nos dedos os que não valeram a pena. Então, se você já não é um “TED-maníaco”, dê-se essa oportunidade. Há quem aponte defeitos diversos no TEDTalks, mas é evidente que, quanto maior o sucesso e a popularidade de uma realização, mais ela se tornará alvo de críticos que não pretendem fazer melhor.

Vão aí doze motivos para amar TEDTalks:

1. É estimulante. Tanto quanto uma boa conversa com um amigo muito inteligente.

2. Coloca seu cérebro para trabalhar. Faz você pensar mais sobre novos jeitos de ver e fazer as coisas.

3. Faz você parecer (e ser) inteligente. Rende assunto para conversar de verdade com seus amigos inteligentes.

4. Coloca você em contato com grandes mentes. Dúzias de pessoas incrivelmente talentosas, atuantes nas mais diversas áreas, viajam de diversas partes do mundo às conferências de TED para falar sobre o trabalho delas, e você pode conhecer isso tudo.

5. É de graça. Custa uma pequena fortuna participar presencialmente de uma conferência de TEDTalks. Em outubro desse ano, haverá uma no Rio de Janeiro, e a inscrição custa US$ 6,000 (seis mil dólares americanos). Mas você pode ver TODOS os vídeos de graça, em alta resolução, na sua casa.

6. O conteúdo é simplificado. Alguns críticos de TED acreditam que as palestras simplificam demais assuntos complexos. E isso não é incrível? Se você quiser, em poucos minutos pode aprender mais do que jamais saberia sobre conexões neurais, por exemplo, graças a um profissional obcecado pelo assunto, que dedicou a vida toda a estudar isso. É evidente que seu conhecimento será infinitamente menor que o dele, mas será muito maior que era antes de ver a palestra. E pode ainda despertar seu interesse por algo inédito.

7. Aprenda com quem tem o conhecimento prático. Os palestrantes de TED são, em geral, praticantes do que ensinam. Não dão aulas abstratas, mas sim contextualizadas em suas histórias e experiências. Na maior parte das vezes, eles não ensinam, eles fazem. Você pode aprender sobre depressão e autismo, por exemplo, não só com psicólogos e psiquiatras, mas com pessoas diagnosticadas com depressão e autismo!

8. É rápido. Como já disse, há vídeos de apenas 3 minutos.Os mais longos que já vi tinham em torno de 23. Ou seja, falta de tempo não é desculpa para não aprender.

9. É prático. Você só precisa ter conexão à internet para acessar onde e quando quiser.

10. Você decide o que quer aprender. O formato dos vídeos – curtos, simples e diretos – permite que você mesmo direcione seu aprendizado, escolhendo qual palestra quer ver e quando. É mais fácil absorber o conhecimento quando você decide o momento de colocá-lo em prática.

11. Abre sua mente. Ao ver gente incrível sustentando opiniões totalmente diferentes da sua, há chances de você mudar de ideia (por que não?) ou pelo menos respeitar e até defender quem pensa de outro jeito.

12. Incentiva você a perseguir seus sonhos. Ver histórias de pessoas que não desistem diante de obstáculos, lutando até atingir seus objetivos, é inspirador.

E você, já viu seu TEDTalk de hoje? Vai lá:

Site oficial: http://www.ted.com/

Canal no Youtube: http://www.youtube.com/user/TEDtalksDirector

Canal no Youtube de vídeos em português: http://www.youtube.com/user/TedTalksPortugues

Festival Olhar de Cinema em Curitiba

 

Imagem

Vai até 05/06/2014 a terceira edição do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba. Além da exibição dos filmes e das premiações, também ocorrem palestras, debates, seminários e oficinas.

O Festival tem ainda uma mostra dedicada ao trabalho de Stanley Kubrick, exibindo nove dos mais importantes longas do diretor: “Glória Feita de Sangue”, “O Grande Golpe”, “Dr. Fantástico”, “Nascido para Matar”, “Barry Lyndon”, “O Iluminado”, “Laranja Mecânica”, “De Olhos Bem Fechados” e “2001: Uma Odisseia no Espaço”.

Para melhorar, as entradas custam R$ 5,00 (inteira) e R$ 2,50 (meia). Corre!

Toda a programação do festival e outras informações estão disponíveis no site do evento.