Um ano

Filhote,
Então você fez um ano. Há algumas semanas eu vinha me preparando para essa data, sem saber ao certo as emoções que ela me traria. Lembrar do seu nascimento me causa um misto de sensações. Quero ser sempre honesta com você e, para isso, devo reconhecer que o dia do seu nascimento envolveu dor, sofrimento, medo. Mas foi também o dia em que recebi o maior presente da minha vida, a felicidade de ser sua mãe.
Decidi que faria uma festa muito linda para celebrar o seu primeiro ano, porque esses 12 meses com você foram incríveis e merecem ser comemorados. Decidi que 21/05 será sempre um dia de muita alegria na nossa família. O planejamento e a concretização da sua festa tomaram todo o tempo e a energia de que eu dispunha, e nem deu para ficar triste lembrando da parte não tão legal desse dia. Quando vi, já estava na hora de cantar parabéns pra você. 
E como valeu a pena, meu anjo! Ver você curtir a festinha que preparei com todo amor, cercado de pessoas que o amam. A lição que você me ensina a cada dia é que o tempo passa muito rápido, e por isso eu preciso dar sempre mais atenção às coisas boas e aos momentos felizes.
Agora você entrou numa nova fase, e eu continuo amando acompanhar cada passo do seu desenvolvimento. Já sabe andar, bater palminhas, dar tchau, dançar, fazer não com a cabeça, tomar água com canudinho, fazer high five, cantar no ritmo da música. 
Continua amando esmagar a Samantha, mamar (que grande vitória chegarmos a um ano de amamentação depois de todas as dificuldades que tivemos), dormir no sling, tomar banho de chuveiro no colinho, Palavra Cantada, nadar na piscina, aula de música, instrumentos musicais, cozinhar um papá imaginário nas suas panelinhas, encaixar peças nos brinquedos de montar, brincar de esconder.
Sabe falar mamãe, mamá, gata, dadá, papá, ábua, banana, batata, au-au, vovó, nossa, opa e repete outras coisas que mamãe diz. Tem 8 dentinhos e um nascendo. Tem dias em que come pouco, e outros em que não sei pra onde vai tanta comida. Dorme ainda com a mamãe e o papai, e nós três amamos isso.
Parabéns pelo seu primeiro aninho, meu amor. Grata por fazer a minha vida tão feliz.
Amo você! 
Mamãe

Anúncios

Sobre o dia das mães 

Filhote,
No dia das mães do ano passado, você ainda estava na minha barriga. Eu já amava você, mas não tinha noção do que era ser mãe de verdade – porque essa é uma noção que só se adquire na prática. Era um tempo em que as pessoas faziam todas as minhas vontades. Hoje algumas delas sequer me cumprimentam, interessadas exclusivamente em você, como se eu nem precisasse mais existir agora que já trouxe você ao mundo. E olha que existem outras mães que são muito mais invisibilizadas que eu.
Mas tudo bem, não estou carente de reconhecimento. Nós sabemos bem a mãe que sou para você. Todos os dias vejo em você os frutos da minha dedicação integral. Ser mãe é o trabalho mais intenso que já tive na vida, sem direito a férias, folga, final de semana, licença por doença. Nunca imaginei que seria capaz de trabalhar ao longo da madrugada e levantar de manhã para trabalhar mais. Eu não pensava que isso fosse possível. Um dos meus maiores temores sobre a maternidade era esse: não dar conta do cansaço, porque sempre amei dormir muito. E olha eu aqui, vivinha.
Hoje mesmo eu levantei depois de uma noite mal dormida, e em outros tempos isso seria motivo para mau humor. Mas a primeira das suas gracinhas me derrete, um sorriso seu renova minha energia e minha paciência. Tivemos um dia lindo, com seu papai, sua vovó Maria e seu tio Gabriel. Você andou comigo de jardineira puxada por um trator, de chalana e de carroça. Viu ovelha, galinha, ganso, avestruz e cavalo. Brincou, passeou e riu muito. Encontramos pessoas queridas. Eu amei o nosso dia. E amei presentear sua vovó (sabia que ela é minha mamãe?) com a sua presença e alegria.
Foi um dia feliz, que deixará boas lembranças. E foi também um dia de pensar e refletir muito sobre a maternidade. Pensar sobre como, mesmo com todos os meus privilégios (de classe, cor, de possuir uma rede de apoio, de ter o seu pai ao nosso lado e de contar com ele de verdade para tudo), a maternidade nem sempre é fácil, apesar de linda. 
Pensar sobre como seu pai é chamado de paizão se simplesmente dá uma volta com você no colo, enquanto eu dedico minha vida integralmente a você e não sou reconhecida. Abri mão da carreira, vejo oportunidades importantes irem embora porque fiz uma escolha (e não me arrependo) de cuidar pessoalmente de você nesses seus primeiros anos. Trato você com todo amor e respeito, cuido da nossa alimentação (da minha para poder amamentar você), vigio seus passinhos, cada dia vou além do que eu mesma imaginava ser capaz. E posso contar nos dedos as pessoas que reconhecem isso sem achar que é só minha obrigação. Fora as pessoas que leem isso e vêm dizer “mas meu marido é um paizão sim” e eu só posso entender que lhes falta a capacidade de interpretação de texto.
Hoje, em pleno dia das mães, em situações diversas eu escutei mães serem julgadas. Uma pessoa falava da “mãe louca” que levou o bebê para trilhar com ela o Caminho de Santiago de Compostela. Que também seria condenada se deixasse o bebê em casa para ir. Parece que mulheres que se tornaram mães são obrigadas a abdicar de sonhos e projetos, já que não podem levá-los adiante com ou sem os filhos. Mas um pai seria julgado na mesma intensidade se deixasse o bebê em casa para fazer o caminho de Santiago? E se o levasse junto, não seria um paizão? 
Depois ouvi sobre uma mulher que abandonou os filhos com o pai para viver com outro homem. O pobre pai teve que deixar os filhos num lar para crianças, pois como iria cuidar de crianças tendo que trabalhar? Ora, todos os dias incontáveis crianças são abandonadas pelos pais com suas mães, e estas precisam trabalhar para sustentá-los, e nem por isso os deixam em lares para crianças. Mas a mãe TEM QUE dar conta, afinal ela é uma mulher. 
Sabe, filho, ser mãe é a melhor coisa da minha vida, mas tem dias que eu só queria ser um pai. E dormir como um pai.
Meu amor, sou muito feliz por ser sua mãe, não troco por nada no mundo a realização que essa missão tem me proporcionado. Sou grata por você ter me escolhido, e agradeço também pela oportunidade de crescer e aprender com você a cada dia. De ser uma pessoa melhor para lhe servir de exemplo. 
E ainda assim desejo que a maternidade possa ser mais leve para todas as mães. Que a maternidade não precise ser a imposição de renúncias e sacrifícios além dos necessários. Que em vez do julgamento, possamos um dia receber de presente mais empatia, reconhecimento, respeito e apoio. De minha parte, farei tudo que puder para ensinar você a oferecer esse presente a todas as mães que conhecer ao longo de sua vida. 
Agora eu vou deitar, já que você dormiu há duas horas (depois de muito mamá e embalo), e desde então eu: tirei do freezer o peixe que vou preparar amanhã, coloquei o feijão de molho, resolvi alguns preparativos para sua festa de aniversário semana que vem, comi uma coisinha, e vim aqui escrever esse texto. Daqui a pouco você já me chama querendo mamar e eu nem dormi ainda. Preciso registrar essas coisas e contar para você um dia, para você ser do time que sabe valorizar o trabalho de uma mãe.
Amo você!
Mamãe

11 meses

E ontem chegou seu décimo primeiro mesversário, meu amor! Daqui a um mês você terá um ano. Essas semanas têm sido muito intensas. Tenho me sentido nostálgica, emotiva, lembrando de tudo que passamos juntos desde que você chegou à minha vida. 
Superamos tantas dificuldades, filho! E isso nos fez mais fortes. A sua energia me recarrega, sua pureza me faz ter fé na vida, mesmo quando as pessoas ao nosso redor nos dão motivos para duvidar de que nossos esforços valem a pena. 
Esse mês, além de repleto de emoções, foi também bastante cansativo. Suas sonecas diurnas estão bem bagunçadas (alguns dias sequer têm sonecas). E à noite você acorda 863 vezes, com exceção de um dia ou outro de descanso que você me deu de presente e eu quase soltei fogos de artifício para comemorar pela manhã. 
Também fiquei exausta perseguindo você pela casa para livrá-lo de perigos que eu não havia previsto ainda. Você está grande o bastante para alcançar objetos que eu achava que ia demorar para descobrir. Nenhuma gaveta escapa (mesmo as mais duras de abrir), e as portas de armário que até uma semana antes você não alcançava agora também já não ficam mais fechadas.
No começo do mês você começou a andar, arriscar um passinho, dois. E aí sentava, voltava a engatinhar. De repente, parou de tentar andar, e eu achei que você estivesse com medo.
Mas não era isso, não: você estava era concentrando suas habilidades para falar algumas palavrinhas. Nanana (banana), tatata (batata), gata, neném (pra se referir a si mesmo), mamam (pra se referir à mamãe), mamá (por motivos óbvios), nanã (não, não), papá, dandá. Aprendeu a fazer não com a cabeça, dizer nham-nham pra avisar que quer alguma coisa e fazer hummmm pra comida gostosa. 
Aí você voltou a se concentrar em andar. Voltou a dar um passinho. Dois. Três. E um dia, na aula de música, ficou tão encantado com um instrumento de percussão (djembe) colocado à sua frente que saiu andando em direção a ele para poder tocar. 
Esse mês teve vários encontros com seus amiguinhos e as mamães lindas deles (pessoas responsáveis por manter minha sanidade em momentos difíceis). Teve encontro com outras amigas da mamãe, com a família, teve festas de aniversário. Teve o seu primeiro temazcal fora da barriga da mamãe. Teve a primeira Páscoa da sua vida, e você ganhou uma cesta de coelhinho feita pela vovó Maria, que a recheou de guloseimas saudáveis e sem açúcar feitas especialmente pra você. 
Você continua um grande dançarino, dança, bate palminhas e cantarola suas músicas preferidas. A aula de música é pura animação! E você adora conhecer instrumentos novos: ficou hipnotizado pela flauta transversal, amou finalmente poder tocar o teclado (fica a aula toda prestando atenção ao tio Thiago enquanto ele toca), adora o caxixi e tudo que é de percussão.
A natação é outro momento de alegria das nossas semanas. Agora você bate os bracinhos e mergulha todo faceiro. Seu papai e eu alternamos as aulas porque é tão gostoso que nós dois queremos entrar com você.
Aprendeu a encaixar as pecinhas mais difíceis dos joguinhos. E brinca de fazer papá, mexendo com a colher dentro dos baldinhos e depois oferecendo para a mamãe a comidinha imaginária, dizendo baixinho “papá”. Criança vê, criança faz! ❤️ 
E é por isso que sei que estou acertando com você, pois vejo o quanto você é carinhoso, abraça, faz carinho, não pode ver um gato, cachorro, neném, bicho de pelúcia que já quer abraçar. Porque amor é a forma de comunicação que você conhece em casa.
Meu anjinho, mais uma vez eu agradeço por você existir, por ser a luz da minha vida, por ter me escolhido pra ser sua mamãe. Amo você mais do que tudo! 
Editando pra não esquecer: nesse mês nasceram mais dois dentes, agora são 8 e um apontando.
#mesversário #onzemeses #IvanLindo #IvanCaminhante

*Esse texto foi originalmente publicado no meu perfil pessoal no facebook em 22/04/2017 e está vindo para cá bem atrasadinho. 😁