Vinte meses

Filhote,

Faz tempo que não escrevo para você. Os últimos dois meses não foram muito fáceis, meu amor. Mas agora eu estou me reencontrando e me sentindo mais forte para voltar a fazer algo que tanto amo, que é escrever. Hoje você está fazendo 20 meses de vida, e não vou enumerar todas as habilidades que conquistou, quantas palavras já sabe falar e quantos vocábulos você criou no idioma ivanês, porque não saber como se diz em português não é motivo para você encerrar a conversa.

O que quero hoje é contar outras coisas para você. A primeira é que não sou perfeita. Eu sei que por alguns anos você vai duvidar disso. Você pensa e vai continuar pensando por bastante tempo que sua mamãe sabe tudo. Depois, quando chegar à adolescência, vai ter momentos (espero que não seja o tempo todo) em que vai pensar que não sei nada. E bem mais lá na frente, vai compreender que sou só uma pessoa adulta procurando fazer o melhor que pode. Mas não nos adiantemos tanto.

Quero que você saiba que eu erro e me arrependo. Com você, com as outras pessoas e comigo mesma. Especialmente nos dias em que me encontro no limite do cansaço, é fácil escorregar, sabe? É importante você saber disso, filho, porque você vai errar e se arrepender bastante vezes também. Quero contar, e mostrar com o meu exemplo, que sempre é possível recomeçar, melhorar, fazer diferente. E não importa o que aconteça, sempre existirão pessoas para apoiar você, para lembrar que um erro não o define e para enxergar o seu valor. A começar pela mamãe.

Outra coisa que quero dizer é que, mesmo nos dias mais difíceis, eu continuo lembrando que ser sua mãe é a realização do meu maior sonho. A maternidade é uma responsabilidade tão grande, um trabalho que exige tanto! Se fosse qualquer outro emprego talvez eu pedisse demissão. Noites mal dormidas, desafios cada vez maiores para entreter, brincar, ensinar, manter você longe da TV ou iPad e ainda assim conseguir fazer a comida, ajeitar a casa. Lidar com as suas frustrações, encontrar formas de me comunicar com você sem violência quando você tem uma crise de raiva. Sobreviver a dias chuvosos sem poder ir lá fora. Suportar o horror que têm sido as mordidas me deixando coberta de hematomas desde que seus últimos molares começaram a nascer (a dentista disse que eles só viriam depois dos dois anos, mas seus dentinhos têm pressa!). Nesses dias você me viu chorar algumas vezes. De dor, de cansaço, de ressentimento.

Felizmente as recompensas desse trabalho também são as maiores que existem. Ver você crescer cada vez mais corajoso, explorador, inventando brincadeiras. Cada dia mais menino e menos bebê. Perceber o quanto você é carinhoso não só comigo, enchendo-me de carinhos e beijinhos ou dizendo “amomãe”, misturando amo com mamãe, mas também com as outras pessoas. Você é uma criança adorável. E o amor ameniza as dores, alivia o cansaço e dissipa o ressentimento. Todos os dias seu pai e eu ficamos alguns minutos falando sobre a sorte de ter você em nossas vidas, sobre como nossa família é a fonte em que renovamos nossas forças, é o que nos faz caminhar e faz tudo valer a pena. Há um ano e oito meses somos pessoas muito mais felizes porque você está aqui.

Meu periquito, pirulito, pililico. Um dia você vai detestar saber os apelidos bobos com que eu o chamava, e eu vou lembrar que meu colo era seu lugar favorito no mundo.

Amo você mais do que tudo, meu amorzinho!

Mamãe

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s