Sobre a obrigação de realizar todos os sonhos da sua vida ainda hoje

Não é novidade o processo histórico e as circunstâncias que moldaram as gerações conhecidas como dos veteranos, dos baby boomers, x, y, z e sopa de letrinhas. E a não ser que você tenha vivido entre os lobos ou isolado numa caverna nos últimos anos, certamente deve ter notado a proliferação da propaganda da felicidade.

Campanhas publicitárias, artigos, crônicas, livros de autoajuda, blogs e postagens simpáticas no Facebook ordenam o tempo todo: seja feliz! Largue seu emprego! Faça um ano sabático! Seja o que você quer ser! Realize seus sonhos! Não fique parado, você não é uma árvore! Vá à luta! Chute o balde! Não ligue para o que pensam! Nem para o que dizem! Seja você mesmo! Mas seja mais legal do que você é! E ninguém precisa dizer, porque você já entendeu: todos esses comandos trazem implícita a palavra AGORA.

Miscelânea de frase encorajadoras da internet (se você é dono de uma dessas imagens e não quer vê-la aqui, apenas solicite que eu a removerei)
Miscelânea de frase encorajadoras da internet (se você é dono de uma dessas imagens e não quer vê-la aqui, apenas solicite que eu a removerei)

E você fica aí, frustrado, sentindo que é a única pessoa medrosa que ainda não largou a sua jornada de 40 horas semanais para viver uma grande aventura de bicicleta pelo Nepal. Acreditando que a areia dentro da cruel ampulheta do seu tempo de vida está quase alcançando suas narinas e você não fez nada de incrível. Não escalou o Everest, não ganhou um prêmio Nobel, não virou astronauta, seu nome não está nem no Guiness. Você ainda quer ter filhos, preferencialmente morando perto da sua mãe. Adotar um bicho de estimação, ou vários. Morar em outro país. Dar a volta ao mundo. Praticar esportes radicais. Não só mudar de emprego, mas virar um nômade digital. Fazer exercícios físicos com mais assiduidade e se alimentar melhor. Mas também experimentar vinhos e cervejas importadas. Ter uma vida social ativa. Passar mais tempo com os amigos. E passar um período num Ashram na Índia, só meditando. Morar num vilarejo remoto no sul da França. E num apartamento bem localizado em Manhattan. E numa casinha de frente para o mar em Santorini. E tudo isso tem que ser pra já. O símbolo do tempo deixou de ser um relógio: é uma chibata.

Caso ou compro uma bicicleta?
Caso ou compro uma bicicleta?

A internet nos deu acesso a milhares de sonhos. E a propaganda nos diz que se ainda não os conquistamos a razão é uma só: somos medrosos. Na verdade é só uma adaptação do padrão do fracasso por sua culpa exclusiva. As gerações anteriores sempre tiveram esfregado nas suas faces o modelo do sucesso: ter um emprego estável, patrimônio amplo, garantir a segurança da família e desfrutar ao fim da vida de uma confortável aposentadoria. Muita gente não conseguiu isso, pelos motivos mais variados. Mas a explicação da propaganda era uma só: essas pessoas não se esforçaram o suficiente. Se fossem trabalhadoras de verdade teriam conseguido tudo.

Hoje os anseios são outros. A antigamente tão sonhada estabilidade no emprego foi substituída por uma “forma criativa de ganhar dinheiro fazendo o que você ama”. Você vai ouvir de muita gente que os bens materiais não significam nada: o que enriquece mesmo é a experiência. Mesmo que as pessoas que dizem isso sejam proprietárias de imóveis, automóveis e variados fundos de investimentos. E se você não está vivendo intensamente o seu sonho, sinto muito, a culpa é toda sua.

A cada dia, mais pessoas absolutamente livres para fazer o que bem entendem de suas vidas se sentem absolutamente tolhidas pela obrigação premente de ser, hoje mesmo, a materialização de todos os seus potenciais. A pressão para ser extraordinariamente feliz o tempo todo é uma das maiores causas de infelicidade.

Tenho a impressão de que houve uma pequena falha na transmutação dos anseios por estabilidade e conforto das gerações anteriores para os desejos de aventura e liberdade de hoje: a noção de tempo também precisa ser modificada. Antigamente as coisas tinham um momento certo para serem realizadas. Seguir o roteiro era uma questão de sobrevivência. Era preciso estudar, arranjar um emprego, casar, ter filhos, construir um patrimônio e se aposentar. Não havia muito espaço para digressões, a não ser que a pessoa tivesse nascido muito rica (o que continua fazendo diferença).

Atualmente, até mesmo a maternidade pode ser protelada. É claro que os riscos da gestação aumentam proporcionalmente à idade, mas já é quase um consenso que o processo tende a ser mais fácil quando a mulher já está num momento mais tranquilo de sua vida. Antigamente a menarca anunciava o início do ciclo reprodutivo que se encerraria com o esgotamento das condições da mulher de seguir engravidando e parindo. Hoje, fora o desejo da sua mãe e da sua sogra de serem avós, nada pode impedir uma mulher de esperar pelo momento em que se sentir preparada para dar esse passo.

Já se foi o tempo em que era preciso trabalhar até não aguentar mais porque sua produtividade acabava por volta dos 60 anos, quando uma pessoa não tinha mais o que oferecer à sociedade. A expectativa de vida é cada vez mais alta e os avanços da medicina asseguram que possamos chegar mais longe também com mais saúde e disposição. Muitas pessoas “idosas” são absolutamente ativas, produtivas, e mais: estão curtindo a vida!

O meu ponto não é simplesmente ir na contramão da propaganda e dizer: acomode-se! Agarre-se com unhas e dentes ao emprego que você odeia! Acumule bens materiais e prenda-se a eles! Esqueça seus sonhos! É evidente que não.

O que quero mesmo dizer é: não se desespere! O tempo não está contra você. Se alguns dos seus sonhos forem realizados só daqui a 20 ou 30 anos, não tem problema! A ansiedade por realizar todos eles ainda hoje, além de não ajudar em nada, impede que você desfrute suas conquistas e aproveite o presente. Não é feio celebrar uma promoção, mesmo que ainda não seja no trabalho dos seus sonhos. Enquanto sonha com a Times Square, não deixe de aproveitar as coisas incríveis que podem estar acontecendo agora mesmo na sua cidade. Seu apartamento pode não ter vista para a Torre Eiffel, mas isso não significa que ele não possa ser o lugar mais gostoso do mundo pra você.

E existe um pecado ainda mais grave do que não saber comemorar suas vitórias nem curtir o presente, que é deixar de valorizar as pessoas ao seu redor. Esse sim é o maior patrimônio que você pode construir na vida, e não vale a pena deixar de zelar pelos relacionamentos em razão de uma busca desenfreada pela satisfação de desejos que mudam de um dia para o outro. Quem viu o lindo longa de animação Up (um dos meus filmes preferidos) talvez se lembre de um símbolo pungente disso que a película mostrou.

O casal formado por Carl e Ellie Fredicksen, ainda na infância e ao longo da juventude, cultivava sonhos de aventuras incríveis numa terra distante e misteriosa, Paradise Falls. Ellie tinha um álbum de recortes e fotografias, chamado de “Adventure Book” (Livro de Aventuras), e os dois poupavam todo dinheiro que podiam para empreender a fantástica viagem de seus sonhos. Ao longo da vida, enfrentaram alguns infortúnios e tiveram necessidades urgentes que faziam a poupança retornar à estaca zero. Lá para o final – SPOILER ALERT: se você não viu (QUE VERGONHA!) e ainda pretende ver o filme, talvez deva pular o final desse parágrafo e também o próximo – o velho Carl acredita que a vida de Ellie terminou sem que ela tivesse preenchido a melhor parte do seu livro.

Isso foi só porque ele ainda não tinha virado a página (chega a ser linda de tão óbvia essa metáfora) para ver que ela tinha preenchido aquelas folhas com uma série de momentos importantes que eles viveram juntos. Sim, Ellie queria ser uma exploradora da vida selvagem em Paradise Falls. Mas enquanto sonhava, ela não deixou de aproveitar cada momento feliz e, especialmente, de valorizar o amor de quem esteve sempre ao seu lado. Essa foi sua grande aventura. Droga, já estou chorando, lembrar de Up sempre tem esse efeito em mim.

Até pouco tempo eu andava surtando com a pressão de realizar tantos dos meus sonhos, muitos deles aparentemente incompatíveis entre si, e tudo pra ontem. Já passei dos 30, e nos variados grupos sociais dos quais faço parte a pressão é a mesma, o que muda é o foco: para a família, já passei da hora de engravidar. Para o chefe, deveria estar captando clientes ou mostrando um nível mais elevado de compromisso profissional. Para algumas pessoas, eu devia vender minha casa e investir o dinheiro. Para outras, eu devia era comprar mais imóveis. Há quem pense que eu devia vender tudo e cair no mundo. Muita gente me vê como um talento desperdiçado, mas ninguém sabe me dizer quem quer me pagar para colocar em prática esse talento. Alguns acham que preciso me dedicar mais aos exercícios físicos. E há quem me assegure que nada disso realmente importa: preciso mesmo é cuidar das coisas do espírito. A pressão é tanta, que o mais fácil é… Simplesmente não fazer nada!

De repente comecei a me inspirar no exemplo de pessoas que estão fazendo grandes coisas em momentos da vida que muita gente duvidaria! Gente que muda de profissão aos 40. Que faz o Caminho de Santiago aos 50. Que dá a volta ao mundo de bicicleta com 4 filhos. Que dá aula de Yoga aos 96 anos de idade. Não sei você, mas eu pretendo viver muito ainda, e com bastante saúde! Então, fiz as pazes com o tempo. Depois que nos reconciliamos, ficou mais fácil administrar a ansiedade e curtir o dia de hoje.

Martin Glauer, de 30 anos, e a mulher Julie, de 40, deram a volta ao mundo de bicicleta, levando seus filhos Moses (5 anos), Caspar (4 anos), Turis (2 anos) e Herbie (9 meses).
Martin Glauer, de 30 anos, e a mulher Julie, de 40, deram a volta ao mundo de bicicleta, levando seus filhos Moses (5 anos), Caspar (4 anos), Turis (2 anos) e Herbie (9 meses).

Talvez (apenas talvez) eu não consiga realizar todos os meus sonhos. Mas saber que posso mudar de ideia a qualquer momento e vivenciar uma aventura diferente depois da outra me tranquiliza. A realização de um sonho não precisa ser um projeto definitivo. Então o melhor que posso fazer é aproveitar o momento e viver com intensidade tudo que posso desfrutar dele. De preferência ao lado das pessoas que fazem tudo isso valer a pena.

Tao Porchon-Lynch, aos 96 anos de idade.
Tao Porchon-Lynch, aos 96 anos de idade, considerada a professora de Yoga mais velha do mundo. ♥

Oksana Guerra

Anúncios

Questão de vontade, não de idade.

Para ouvir enquanto lê o texto:

Passei cerca de trinta anos da minha vida envelhecendo. Parecia simplesmente o certo a fazer. Ser uma pessoa madura. Adotar o comportamento adequado. Arcar com responsabilidades. Ter opinião. Lidar com problemas cada vez mais difíceis. Conformar-me com o que não posso fazer. Gerenciar minha própria vida. Ser um exemplo de moral. Ter um propósito na vida. Desconfiar das pessoas. Conquistar a independência. Abraçar a complexidade do meu ser e desistir de entender a mim mesma.

Um dia resolvi que não queria mais envelhecer. Descobri que “o certo a fazer” é uma questão de ponto de vista. Percebi que excesso de maturidade significa que você passou do ponto (e o próximo passo é deteriorar). Observei que quem dita qual é o comportamento adequado é geralmente cheio de inadequações. Concluí que ser responsável não é um peso a carregar, mas sim a chave da minha liberdade. Vi que é saudável mudar de opinião de vez em quando, além de ser indispensável respeitar as opiniões diferentes das minhas. Notei que os problemas são do tamanho que eu dou a eles. Perguntei-me: “mas o que é que eu não posso fazer?”. Constatei que gerenciar é algo muito burocrático para definir a minha vida – prefiro fazer arte com ela. Entendi que vale mais a pena inspirar atitudes positivas do que seguir cegamente um conjunto de regras que nem sempre materializa o bem. Decidi ter vários propósitos na vida, mas não me apegar a eles – se algo falhar, o plano B é “continue a nadar, continue a nadar”. Aprendi a importância de cultivar a fé. Conquistei minha independência e, então, dei um passo atrás, para aprender a dizer: “preciso de você”. Resolvi simplificar e, num processo contínuo de autoconhecimento, amar a mim mesma e a quem mais eu conseguir.

De repente, não só parei de envelhecer, mas comecei a ficar mais jovem! Voltei a brincar, a acreditar, a confiar, a arriscar. Estou aprendendo ainda a saltar sem medo (não se abandonam as rugas e cicatrizes da alma sem algum esforço). Estou mais bonita. Sinto-me mais bem disposta. Tenho feito novas amizades e me divertido com as antigas. A dor nas costas diminuiu. E estou enxergando melhor! Mas não com os olhos, claro.

Não frequento muitas festas – escolho somente as melhores. Mas quando compareço, sou a primeira a chegar e a última a sair! Quando eu era velha, costumava pensar: “que bom seria se eu pudesse ter a disposição da juventude com o discernimento que tenho hoje…” E não é que é possível?

Algumas roupas não me servem mais: ficaram muito grandes ou muito sérias. Também existem atitudes que já não me cabem: rabugices, pressa constante, resmungos e lamentos, guardar mágoas e ressentimentos, valorizar as dores e doenças, falar demais, achar que sei mais do que os outros, manter hábitos ruins só porque é difícil mudar. Confesso que foi mais fácil me livrar das roupas que não serviam. Mas estou trabalhando nas atitudes.

Há quem desaprove meu rejuvenescimento. Nem todo mundo consegue abrir mão do cinismo e da descrença. A muitos falta ânimo para abandonar o pessimismo. Alguns simplesmente acham ridículo. Pensam que não tem cabimento uma senhora casada de 32 anos se comportar dessa maneira. Que é um absurdo andar assim, como se fosse uma menina. Não me importo. Fico com a opinião dos jovens, como meu marido, a cada dia mais menino. E minha jovem amiga de 99 anos de idade, que faz piada e ri como criança. E, ainda, minha amiga de 3 anos de idade, que me faz abraçar desconhecidos.

Além disso, conservei do meu tempo de envelhecimento uma série de lições. Uma delas é que eu não posso agradar a todos. Então, só por hoje, escolho agradar a mim mesma.

oki